Arquivo de ficção cientifica

Space Dragon Fast Play e Lançamento do Manual Completo!

Posted in Notícia with tags , , , , , on Junho 12, 2012 by rsemente

Em 17 de abril foi lançado a versão Fast play do Space Dragon, manual com regras quase completas para jogar com personagens até o terceiro nível. Como agora, em 9 de Julho, recebi minha cópia do Space Dragon completo, e percebi que não havia feito um post sobre isso, achei bom divulgar as duas noticias.

Aqui você pode ir no site da RedBox e baixar o Fast Play:

http://redboxeditora.com.br/spacedragon/?page_id=23

Aqui você pode comprar o jogo completo, físico ou digital, e se divertir por alguns anos a fio:

http://redboxeditora.com.br/loja/categoria-produto/space-dragon/

Agora que já estão devidamente informados, esperem mais detalhes obre meu cenário para o Space Dragon.

Anúncios

Eclipse Phase (Resenha)

Posted in resenhas with tags , , , , , on Setembro 7, 2010 by rsemente

Em 2002 foi lançado o RPG de ficção Científica Hard mais foda até então, GURPS Transhuman Space. Um cenário que se passava 100 anos no futuro, em uma humanidade que começava a se desenvolver de formas inimagináveis, alcançando a maestria na genética, nanotecnologia, e computação.

Mas em 2009 isso mudou, foi lançado um novo RPG, Eclipse Phase, um RPG que muito bem pode ser definido como uma continuação de GURPS Transhuman Space, apesar de não ser para GURPS!

Eclipse Phase se passa em um mundo cerca de 120 até 150 anos no futuro. Até uns 20 anos atrás a humanidade era bem similar ao mundo descrito no GURPS Transhuman Space, até que tudo mudou. Uma rede de defesa e contra ataque dos Estados Unidos baseada na utilização de uma inteligência artificial com capacidade de se auto aprimorar entrou em atividade, chamada de T.I.T.A.N algo aconteceu e ela se tornou auto suficiente, e pouco tempo de pois a queda começou (The Fall). Os T.I.T.A.Ns se descontrolaram e começaram uma guerra contra a humanidade. Os bilhões de humanos no planeta Terra foram quase que completamente dizimados, boa parte deles fugiu para o espaço (já colonizado parcialmente). Até que eles simplesmente pararam, abandonaram o sistema solar misteriosamente, deixando para traz um planeta terra devastado e povoado com maquinas de guerra ainda perigosas.

Assim, a Terra deixou de ser o principal lar da humanidade, o sistema solar foi quase que completamente colonizado, do onipresente Sol até o distante Eris.  a capacidade de uploading (gravar todas as informações de um cérebro humano e transportá-la para um software) da mente humana em tempo real garantiu uma certa imortalidade para a mesma. Inteligência artificiais estão em toda a parte, mas agora restringidas e observadas para impedir que ocorra uma outra queda. Fizemos contato com uma raça alienígena, The Factors, mas suas verdadeiras intenções e origens ainda são um mistério. Descobrimos estranhos portais (Pandora gates) por onde os T.I.T.A.N.s posam ter partidos, e com eles começamos a explorar outras estrelas. Na nossa urgência de repopular a humanidade criamos uma geração de humanos em laboratórios, com aprendizagem virtuais e crescimento acelerados, o resultado foi uma geração perdida (the Lost) com problemas psíquicos gravíssimos. Diversos grupos defendem seus próprios interesses, contra e pós transhumanismo, IAs, Robôs, Panhumanismos, Animais amplificados, em uma nova variedade de preconceitos e lutas por direitos iguais. Organizações secretas lutam tanto para o bem da coletividade quanto apenas para o seus próprios benefícios criando uma guerra secreta em busca de tecnologias alienígenas. E no meio de tudo isso, uma terra devastada, infestada de maquinas de guerra sencientes, e isolada, nada entra e nada sai, um cerco isolacionista criado pelo medo do retorno dos T.I.T.A.N.s.

No meio de tudo isso uma organização secreta e descentralizada luta pelo bem geral da humanidade, The Firewall, buscando qualquer indicio de risco para a humanidade, interno ou externo. Os personagens jogadores são agentes dessa organização, lutando em uma guerra secreta contra inimigos quase-divinos em um mundo escuro e sombrio.

Como prova de como Eclipse Phase é bom ele recebeu várias premiações no Ennies Awards 2010, uma medalha de ouro por melhor escrita, um prata por produto do ano e melhor capa, perdendo apenas para Pathinder e Gold bestiary Pathifinder, respectivamente.

Ele traz um sistema próprio, que infelizmente não olhei ainda em detalhes, mas parece dar conta do recado sem problemas, deixando abstrações dos detalhes de como funcionam as tecnologias e outras dificuldades, como viagem espacial e ações em ambientes virtuais.

Eclipse Phase tmabém já possui seu primeiro suplemento, Sunward, contando em detalhe sobre a vida no sistema solar interno (Sol, Mercurio, Venus, Terra e Marte), e o segundo, Gatecrashing, ainda sem data prevista, fala sobre os mundos exteriores depois dos portais de pandora.

Por enquanto isso é só, mas espero em algum momento jogar ou mestrar esse jogo para dar uma resenha pratica sobre o mesmo. Por enquanto ele é uma obra de arte da ficção científica. Imperdível!

O Homem da Terra (The man from earth) (de Jerome Bixby)

Posted in Cinema, TV, e Vídeos, resenhas with tags , , , , , on Setembro 3, 2010 by rsemente

Jerome Bixby foi um renomado escrito de ficção cientifica em vida, escreveu vários contos e alguns episódios de series de TV, como Twilight Zone e Star Trek (a serie original), incluindo o episódio “It’s a Good life” (Twilight Zone – Episódio em que um garoto possui poderes divinos e todos nas cidades devem fazer seus gostos se não podem ser mortos instantaneamente) e “Mirror, Mirror” (Star Trek – Episódio famoso por introduzir o universo espelho, em que todos são maus e usam cavanhaque).

Desde da década de 60 ele escrevia uma história, The Man From earth, cujo ele só terminou em seu leito de morte em 1998.

Essa história foi filmada em 2007, o filme de mesmo nome custou apenas 200.000 $$ mas o roteiro (praticamente o original de Bixby) é tão bom que o filme é considerado o melhor de 2007!

Sinopse: O professor John Oldman esta de mudança, abandonando sua carreira sem justificativa, seus amigos preparam uma festa de despedida e começam a perguntar o porquê de sua repentina mudança, pressionado ele começa a sugerir a idéia de como seria um homem da caverna que fosse imortal até os dias de hoje. Ao passar da suposição ele mesmo assume que possui 14.000 anos de vida!

Apesar de insólita, a história é perfeitamente trabalhada, seus colegas, todos professores em várias áreas do conhecimento (principalmente humano), buscam a todo momento contestar as possibilidades, tornando a história ainda mais interessante.

Eu mesmo incluo esse filme entre as melhores que já vi até hoje, apesar de se passar quase que completamente em uma sala e no quintal do personagem, ela é incrivelmente interessante, crescendo cada vez mais em revelações, tornando-a vidrante.

O engraçado é que o filme foi amplamente divulgado ela internet, sendo encontrado facilmente nos vários meios de distribuição peer-to-peer.

Assisti esse filme ontem no mesmo dia que estava lendo uma história em quadrinho inusitada sobre morte(!), e que recebi uma super-interessante que falava sobre “A genética falhou?”, e em uma das matérias contabilizava o numero de pessoas atualmente caso ninguém nunca tivesse morrido (cerca de 100 bilhões de humanos).

Isso me deu uma grande idéia e em breve coloco-as aqui, seja como cenário ou como um conto (ou provavelmente os dois).

OBS: Próxima semana sai a matéria Novos Blogs, não se desesperem!

OMNI: O Retorno (Versão 0.01)

Posted in cenário, regras with tags , , , on Julho 29, 2010 by rsemente

OMNI voltou.

Há algum tempo apresentei um cenário de ficção científica e fantasia aqui no blog, mas a muito tempo nada falei como andava o projeto. Isso por que estava fazendo o sistema, e as primeiras opções para a criação dos personagens jogadores.

Agora a primeira versão Beta está pronta. Apesar de permitir apenas Guerreiros Celestiais como personagens, alguns das características para Capitães de naves já estão esboçados, e em breve colocaremos detalhes de jogo para as naves.

Por enquanto basta clicar aqui para ver a versão mais recente de

OMNI

Resenha: Segunda Fundação (Livro III)

Posted in resenhas with tags , , , , , on Abril 28, 2010 by rsemente

Ontem, na fila do médico :P, terminei o terceiro livro da trilogia central de Fundação: Segunda Fundação.

Assim como o anterior esse livro poderia ser dividido em dois, mas olhando para o objetivo em comum das duas partes o titulo de “Segunda fundação” cai bem.

A primeira parte, que descobri que em ingles foi chamada de “Part I: Search By the Mule” (Busca pelo Mulo), continuamos com a ameaça do Mulo, agora combatendo não a primeira fundação, mas sim a segunda. Essa parte é simplesmente fantástica exatamente por apresentar a segunda fundação, uma idéia brilhante, que provavelmente influenciou séries de TVs como “The Mentalist” e “Lie to Me” (sem contar que “Numb3rs” deve ter se baseado em toda a idéia da pisicohistória). Então eu chamaria esse livro de “O Mulo e a Segunda Fundação“, pois agora vemos toda a história através dos olhos dos inimigos, lutando contra um herói secreto, a Segunda Fundação (Doidimais, nunca vi isso antes!).

Aqui a história toda é uma busca do Mulo pela segunda fundação, e fora este apenas um personagem é já conhecido do leitor: Han Pritcher. Também temos aqui uma amostra do poder que a tecnologia é capaz, com um mundo completamente destruído pelas naves atômicas.

Não me envergonho de dizer que Isac Asimov me surpreendeu, e me enganou completamente. Infelizmente não posso dizer os detalhes sem estragar nenhuma surpresa. Quem sabe não escreva uma matéria apenas com Spoilers!

A segunda parte, chamada de “Part II: Search By the Foundation” (Busca pela Fundação), continuamos apenas com a busca pela Segunda Fundação, ainda em segredo, mas podemos ver um pouco mais seu interior e seus objetivos. Temos um personagem principal: Arcadia Darel, ou como ela gostaria de ser chamada, Arcady Darel (representada na figura ao lado), neta de Bayta Darel, héroina principal da segunda parte do segundo livro (aquele que chamei de “O Mulo”, e que de fato foi o titulo dado no original). E apesar de ter apenas 14 anos ela se envolve na trama de forma tal que ganha importância fundamental na história.

Aqui a curiosidade leva cientistas da primeira fundação a encontrar a segunda fundação. Além de alguns motivos serem meio que mascarados, a principal razão é o fato de que ninguém gosta de ter seu destino controlado, então temos uma batalha do contra e a favor do “Plano Seldon”, que trata por dominar o espírito dos homens pela certeza que o futuro está controlado e assegurado.

Dessa vez descobri o mistério e não fui pego totalmente de surpresa, apesar de Isaac Asimov ter tentado ativamente (com explicação dentro da história) de nos enganar (e devo admitir que quase conseguiu).

Sim, tudo é um grande paradoxo. Se Seldon sabia que era preciso que ninguém soubesse do futuro computado por ele para que o futuro ocorresse, por que ele contou que esse futuro foi computado? Acho que Seldon comeu b@$ta no final de sua vida (e por conseqüência Isaac Asimov, mas sem isso não haveria história para se contar :P).

Acho que essas são minhas palavras sobre esse grande épico de ficção científica. Agora resta encontras as outras continuações. Alguém sabe onde encontro?

Veja as Outras partes:

Resenha: Fundação e Império (Livro II)

Resenha: Fundação (Livro I)

Resenha: Fundação e Império (Livro II)

Posted in resenhas with tags , , , , on Abril 14, 2010 by rsemente

Hoje, na fila de 1 hora e meia no banco (alguém sabe como reclamar dessas filas?) terminei o livro II da série Fundação de Isaac Asimov: Fundação e Império.

Este livro bem que pode ser dividido em dois livro.

A primeira parte, que poderia ser chamada de “Fundação e Império”, conta a história de mais uma “Crise Sheldon”, a quarta se não me engano, onde o convalescente império ameaça pela primeira vez a fundação. Aqui temos como principal antagonista Bel Riose, um forte general do império que decide dar fim ao “império comercial” da fundação. Os principais protagonistas foram Ducem Bar, um velho revolucionário de um planeta integrado ao comércio fundacional nas bordas do império galáctico, e Lathan Devers, um comerciante da fundação que permanece cativo de Bel Riose e que tenta sozinho impedir a ameaça do império.

Apesar de um grande andamento, essa crise culmina numa auto-derrota vitória prevista pela pisico-história de Hari Seldon. Aqui Isaac Asimov fundamentou em pedra as previsões da pisico-história, apenas para em seguida destruí-la.

A segunda parte, que poderia ser chamada apenas de “O Mulo”, ou “ponto fora da curva”, e é bastante intrigante. Estamos agora 300 anos após o surgimento da fundação. Ela agora é um grande império, e seu poder não há comparação. E surge o Mulo, um mutante cujo o poder permite controlar mundo com enorme facilidade. temos como protagonistas Bayta Darel, e seu marido Toran Darel. Eles são os primeiros a confrontar o Mulo, e perceber que o próprio é um ponto fora da curva e impossível de ter sido previsto pela psico-história de Hari Seldon. Em um final surpreendente (que eu consegui decifrar, sem muita certeza mas suspeitei, muito antes) terminamos o livro, em uma Galáxia, ainda em perigo, e do outro lado da galáxia residia secretamente a Segunda Fundação, como a ultima esperança de salvação.

Kalgan, onde tudo começou...

É isso ai, aqui ficamos, e começarei a ler o próximo livro, e em breve retornaremos com a resenha de mais um fantástico livro da fantástica saga de ficção científica: Fundação.

Veja também: Resenha: Fundação (Livro I)

Resenha: Fundação (Livro I)

Posted in resenhas with tags , , , , on Março 24, 2010 by rsemente

Ontem acabei de ler o primeiro livro da trilogia Fundação, de Isaac Asimov. Apesar de não poder tirar conclusões completas sobre a obra, é simplesmente fantástico a forma como o autor conduz a trama ao longo do tempo e do espaço.

Ah e só para constar minha vergonha, é meu primeiro livro de Isaac Asimov. Esse inicio se deve a dois fatos, o Nerdcast 186 – Isaac Asimov e seus escravos tchecos, e pouco tempo depois ter encontrado, com meu cunhado, uma de suas edições três em uma, obrigado por emprestar o livro Julian.

.

Nesse livro pouco temos de ciência realmente tangível, tudo é muito teórico e fantástico, servindo apenas como uma forma de palco para uma trama inteligente, recheada de soluções pacificas para resolução de conflitos bélicos eminentes.

Apesar de situar feitos em pelo menos 50.000 anos no futuro, estes fatos tornam o livro em uma critica social da humanidade, tanto histórica como atual, mesmo mias de 50 anos depois de sua redação.

Nele é contada a história de como Hari Seldon desenvolveu uma ciência mista de psicologia, probabilidade e história capaz de prever o futuro, apenas estudando o comportamento de uma grande massa de pessoas (na ordem de bilhões). Em uma galáxia completamente povoada unicamente de seres humanos e suas tecnologias atômicas e fantásticas, um império de 10.000 anos está entrando em decadência, e o gênio de Hari Seldon prevendo uma época de barbárie de 30.000 anos, desenvolve um plano para reduzir esse tempo em apenas 1.000 anos.

Para tanto ele funda a Fundação da Enciclopédia Galáctica, uma instituição que aglutinou cientistas de todas as áreas com o único propósito de acumular todo o conhecimento galáxia. E apenas isso eles fazem.

E sem que eles saibam, de forma propositalmente planejada por Hari Seldom, a partir dela, iniciar os planos para reduzir o tempo de barbárie que se seguirá.

O primeiro livro conta uma história através de cerca de dois séculos, onde apresenta a trajetória de grandes homens que tomaram importantes papeis na história prevista por Hari Seldom.

Os únicos contras do livro é a falta de descrição do universo ficcional propriamente dito, a ciência é descrita de forma direta, apenas com os efeitos dos diversos dispositivos e não como os mesmos funcionam.

Isso a primeira vista contribui para a falta de credibilidade cientifica da obra, mas acaba por contribuir para tornar uma obra atemporal, e evitar o desenvolvimento de teorias esdrúxulas sobre itens milhares de milhares de anos no futuro, capazes de feitos realmente fantásticos.

No final esse problema é convertido em vantagem, principalmente se levarmos o livro como uma forma de critica social, onde apesar de todos os avanços tecnológicos, o homem continua possuindo todos os defeitos e capaz de todos os pecados como provado pelos homens de nosso muito mais avançado cientificamente, porem tão cheios de defeitos como todos os homens das eras passadas.

.

Em breve voltarei com a resenha do segundo livro da trilogia, “Fundação e Império”, e espero com a volta de meus hábitos literários consiga trazer contos verdadeiramente melhores para vocês leitores.