Resenha de Star Wars Episódio VII: O Despertar da Força


SW-THE-FORCE-AWAKENS

(Sem Spoiler)

Depois de uma jornada intensa de muito trabalho, estudo, dedicação, provas, disciplina, noites mal dormidas, ida a academia, emagrecimento, pausa na academia, voltar a engordar, trabalho novo, greve, viagens internacionais, viagens intermunicipais mais longas que viagens internacionais,  doenças misteriosas quase incuráveis, e um final de anos dos horrores, estou de volta com chave de cocô ouro.

Depois de uma semana com viagens com mais de 1400 km de viagens de carro, de ônibus, de dia e de noite, e compreendendo quatro estados do nordeste, cheguei algumas horas antes desse dia definitivos para os fãs da maior franquia dos cinemas de todos os tempos.

A expectativa estava alta, tinha parado de assistir os trailers, SpotTVs, Teasers e a porra toda que lançaram nos últimos meses pra não estragar ainda mais a experiência, pois começava a achar que já estava decifrando quase toda a trama.

E finalmente as estrelas brilharam na tela, e letras amarelas e inclinadas começaram a voar pela tela de cinema.

Depois de mais de duas horas de película a sensação de alivio foi a predominante, alivio porque não estragaram a franquia, é definitivamente um bom filme, alivio porque agora espero um futuro anda mais brilhante que este filme, que pecou em diversos aspectos em relação a trilogia clássica, mas também a superou em outros aspectos, mas além de tudo superou ainda mais em relação a trilogia prequel.

Ele poderia ter arriscado mais em alguns pontos, mas não é possível dizer que ele não arriscou nada. Ele arriscou muito com algumas de suas escolhas, e nunca saberemos como poderia ter sido, pois agora o Episódio VII é o que assisti nessa madrugada do dia 17 de dezembro de 2015.

E o episódio VII é um ótimo filme, é Star Wars, do inicio ao fim,  e é apenas o início de uma nova trilogia que agora sim poderá arriscar muito mais do que arriscou.

E se for para dar uma nota seria 8 de 10.

tfa_poster_wide_header.jpg

(A partir daqui Com Spoilers!!!)

Gostaria de que o titulo desse post fosse “Resenha de Star Wars Episódio VII: A esperança do contra ataque de um novo império”, pois é praticamente um reboot do Star Wars original com Star Wars Episódio V: O Império Contra ataca.

Tudo está lá: Um segredo escondido no Droid, que cai em um planeta deserto, e é encontrado por um zé ninguém, que se mete em uma encrenca contra o governo maligno e forma um grupo improvável, que fogem para o espaço e que tem que entrar na base inimiga destruidora de mundos e sair de lá, para finalmente poder destruí-la e salvar a galáxia, não sem antes um dos membros morrer no processo.

No meio de tudo isso  o drama familiar, entre pai e filho, contra o bem e o mal, é a cola especial que torna o filme um bom filme, digno de um dos épico da sétima arte.

Mas o diretor foi um mestre, distorcendo alguns conceitos de forma surpreendente, e criando novos ícones que durarão por mais várias décadas.

No meio a isso, um mundo surpreendente, batalhas épicas jamais vistas antes no cinema, seres fantásticos, todos apresentados em uma amalgama quase perfeita entre efeitos práticos e computacionais dão a credibilidade a um universo que adoraríamos que fosse verdade.

Infelizmente a história não é perfeita, os quinze primeiros minutos parecem que voltaríamos para a “nova trilogia”, com um grave agravante de transformar o herói negro em um simples alivio cômico (sim, ainda é um alívio cômico, mas não apenas isso), mas depois de passado o susto, vemos um grande vilão surgir, apenas para ser desconstruído até se tornar uma frágil sombra do que já foi o maior vilão de todos, diminuído pela apresentação de uma nova ameaça introduzida de forma gratuita, e representada pelo pior efeito especial de todo o filme. Snoke Sucks!

Um grande ponto que acredito diminuir o filme foi o fim da base Star Killer, que causa dois grande problemas: criar três filmes com basicamente o mesmo fim e transformar novamente os vilões em incompetentes plenos. Você pode retrucar que tudo não passa de ser o desejo da força, que após um grande mal (como a destruição de Alderan e  de uns quatro planetas da republica – entre eles Coruscant) a força age quase que instantaneamente para que ele não ocorra novamente. Mas ninguém nos filmes jamais falou algo do tipo e isso seria só especulação.

Acredito que fora essas duas grandes falhas, criação de um novo imperador super mal feito, e criação e destruição de uma nova estrela da morte, o filme segue de forma espetacular, com cenas fantásticas, tanto de lutas de sabre, tiroteios e naves, quanto nas fugas, torturas, reencontros e diálogos dramáticos. Todas superiores aos seis filmes anteriores.

O ponto mais extraordinário do filme é a força, representada em toda sua essência pela Rey, que mesmo sem treinamento algum consegue vencer um jedi corrompido pelo lado sombrio, tanto quanto mentalmente quanto em um duelo de sabres. Nesse filme vemos realmente o poder na força como em nenhum outro anteriormente, não na forma de super telecinese, mas na forma de como a calma e meditação conseguem sobrepujar ódio e medo, sendo um grande acréscimo na filosofia que fundamenta toda a série.

Não vou mais me prolongar, mas todas as pontas soltas que foram criadas e deixadas em abertas podem ser muito bem trabalhadas nos próximos filmes, e com o sucesso permitir muito mais liberdade ao J.J. Abrahms.

Blot_11-6_StarWars

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: