RESENHA DO SPACE DRAGON (Parte 1)


Ultimo sábado (dia 9/06) recebi um singelo e-mail da Redbox: Está disponível o PDF Space Dragon para você. Isso era algo que esperava dês do final de março quando comprei o livro em Pré venda.

Baixei e comecei a ler, e hoje lhes trago essa resenha das minhas primeiras impressões.

Se você não sabe o que é Space Dragon baixe o fast play AQUI.

Resenha

Space Dragon é um retroclone de D&D primeira edição com temática espacial, não é o primeiro que eu vi (que conheço tem o Stars Without Number), mas é o primeiro nacional.

De inicio vemos a belíssima capa, que evoca o tema pulp de exploração espacial, e cm destaque para o logo que parece fazer parte da ilustração (como uma nave dos exploradores), uma bela capa que deverá chamar atenção em qualquer livraria.

O livro possui onze capítulos e são eles: Introdução, Atributos, Espécies, Classes, Subatributos, Equipamentos, Aventuras Espaciais, Combate, Aparatos e Feitos, Poderes Mentais, Espaçonaves e Sessão do Mestre, e por fim a ficha de personagem. Tudo em 197 páginas.

Logo depois temos um quadrinho com seis (6) páginas (em preto e branco), que nos apresenta o clima pulp do jogo. A arte é bem legal, mas as vezes os personagens são um pouco estranhos, e o roteiro é simples mas se encaixa na proposta de simular um jogo de Space Dragon.

No primeiro capitulo, Introdução (que é praticamente um editorial), vemos uma explicação do que é pulp, e de como é a ficção científica pulp. Aqui senti falta de algumas coisas, explicação do que é exatamente RPG (poderia ser um parágrafo), uma explicação do que é Old Dragon, Retroclones e Old School, e uma lista de referencias de coisas Pulps (livros de tais autores, filmes da década de 60, desenhos X, Y e X…).

O segundo capitulo explica os atributos que são quase idênticos aos do D&D, com exceção de algumas misturas dos mentais e principalmente mudança de conceitos. Força, destreza e constituição são idênticos, agora nos mentais temos Intelecto que substitui inteligência e se mistura com sabedoria, remove-se o fator conhecimento e línguas, e substitui por fator resistência mental; ciência que adiciona o fator conhecimento e mantêm o fator “morto vivo”(que são robôs aqui) e divino (ciência), e comunicação que substitui carisma, que recebe o fator de línguas de inteligência.

Esse mix é bem inovador e fantástico, muito mias intuitivo que a divisão de Inteligência e Sabedoria. Novamente acho que ficou faltando uma explicação individual do que se pode fazer com cada atributo (a não ser que tenha em outro capitulo que ainda não cheguei).

No terceiro capitulo conhecemos as espécies: humanos, andróides e mutantes. Nada de alienígenas aqui (como um bom Pulp), mas isso pode ser suprido com os mutantes, que na verdade é uma coletânea de habilidades e desvantagens raciais para serem escolhidas aleatoreamente. A explicação de cada raça, sociedade e habilidades estão perfeitas!

No quarto capitulo são explicadas as classes cientista, gatuno, homem do espaço e mentálico, e apesar de que o mentálico em equivalência de regras ser um mago e o cientista ser um clérigo, em termos de ambientação eles são o inverso: O mentálico está mais para o clérigo, seguindo uma crença religiosa, e o cientista está mais para o mago, pesquisando e catalogando toda a ciência (fazendo uma alusão ao velho slogam “Não é magia, é tecnologia!”).

O Cientista está bem legal, mas só posso saber se seu poder está bom lendo a parte de aparatos e feitos, então depois retorno para ela. O Gatuno é uma cópia carbono ao Ladrão, e o home do Espaço é quase uma cópia do Homem de Armas, mas possui a adição da habilidade de pilotar naves, regras para desarmar e subjugar (simples e aparentemente funcionais) e uma tabela de progressão do dano critico (o que pode desequilibrar seu poder).

Por fim temos o mentálico, é praticamente o mago, mas com as magias são agora pdoeres mentais, com efeitos relativamente mais realistas e ao invés de decorar é possível decidir na hora qual hailidade usar, podendo chegar a usar o equivalente a 15 poderes de 10 grandeza (“circulo”) ou 150 poderes de 1 grandeza no 20 nível, o que pode tornar o personagem muito mais poderoso e versátil que o mago do Old Dragon, o que pode justificar o aumento do poder do Homem de Armas, restando saber se as outras classes seguem essa melhoria.

Quanto as especializações a grande maioria são bem criativas e atrativas, com exceção do mercenário e caçador de recompensas que aparentemente possuem quase o mesmo propósito, ser mais forte em combate, o primeiro se especializando em uma arma e aumentando o dano de críticos, e o segundo ganhando mias ataques.

3 Respostas to “RESENHA DO SPACE DRAGON (Parte 1)”

  1. arquimago Says:

    Boa resenha, da vontade de jogar

  2. Olá!
    Eu não sou fã de jogos de ficção científica, e nem do D&D pregado pelo Old Dragon, mas confesso que o trabalho/proposta me parecem ser muito boas. Ótima resenha.

    Até and Bye…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: