26° Dia


…NO DIA ANTERIOR

Era um novo dia e nenhuma esperança residia no futuro, não havia esperança de que em pouco tempo que as principais tecnologias fossem restauradas para grande parte da população.

Mesmo com a política de manutenção da fixação das pessoas na cidade adotada pelo conselho e pelo grupo do Prof. Max pouco adiantava. As pessoas iam desistindo de ficar sob racionamento intenso e aos poucos, família por família, tentavam voltar para o campo onde o alimento e a água podiam ser conseguidos da fonte.

Por enquanto as famílias começavam a pegar água do próprio rio, trazidas por carroças de burros e cavalos que tanto incomodavam a população no transito agora era uma grande peça na nova sociedade.

Cada vez mais terrenos começavam a ser plantados hortas e outros alimentos, mas demoraria alguns meses até que os frutos fossem colhidos para o consumo em grande escala. As pessoas se aglomeravam a cada caminhão e carroça que chegavam do interior com alimento fresco, e até coco se tornaram uma grande fonte de nutrientes.

Nossa situação não estava melhor. Apesar de termos uma fonte extra de alimentos, o quinta de minha sogra, não era suficiente. Além do mais os boatos sobre fugitivos de um presídio que vinham dominando a cidade também na era desanimador. Era provável que fosse o grupo que nos atacou na igreja.

Tinha que segurar a rédea de nossas vidas, terminar meu plano e seguir adiante, apenas esperar não era o suficiente, fomos reprovados em cada teste de esperança, e agora pouco restava para nós mesmos.

Infelizmente o Brasil nunca foi ameaçado por uma guerra moderna em nosso território, por isso não havia nenhum bunker conhecido de espécie alguma, talvez no Sudeste ou em Brasília, mas não aqui no nordeste.

Os Estados Unidos deveria ser um dos pontos que mais esforços estejam ocorrendo para restabelecer a esperança, um verdadeiro centro de esperança. Norad, bases militares, e abrigos nucleares espalhados pelo país permitiram que não começassem a reconstrução da tecnologia do zero. Será que esse seria nosso destino?

A principio deveríamos esperar mais um pouco, sair da cidade e dar um tempo ao tempo, decidimos que no outro dia não iríamos de volta para onde tudo ocorreu, o mar deveria dar mais condições de vida. Deveriam existir peixes e frutas em certa abundancia e todos estávamos cansados de massas e algumas frutas velhas.

CONTINUA…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: