Capitulo 3 – Um Pequeno Sol (Parte 3)


Hoje o episódio saiu tarde mais saiu no dia, bom proveito!

… ANTERIORMENTE

Foi utilizando um equipamento experimental, um portal estrelar, uma colossal maquina no espaço, do tamanho de uma estação espacial com formato circular, capaz de criar, em seu centro, um desses buracos de minhoca, que a nave Drake foi perdida. Inicialmente foram enviadas sondas, que conseguiram retornar um sinal positivo na chegada, mas quando a nave foi envida o mesmo não aconteceu.

Os Filhos de Gliese – Capitulo 3: Um Pequeno Sol (Parte 3)

É claro que os cientistas não poderiam reproduzir o experimento, sem esperar que novamente fosse perdida outra nave.

Para isso foi desenvolvido um sistema de propulsão espacial capaz de atingir velocidades sub-luminal de até 75% da velocidade da luz. O primeiro veículo com essa capacidade foi batizada de Fermi, em homenagem a Enrico Fermi, criador do chamado paradoxo de Fermi, que consiste na idéia de que se a proposição de que se o universo é tão velho, e existem tantas estrelas, então também deve existir muitas civilizações alienígenas avançadas, mas se ela é tão comum, por que não escutamos seus sinais de rádio e televisão no espaço? Por que nenhuma entrou em contato conosco? Então a falta de evidencia de existência de vida extraterrestre é um paradoxo em relação a probabilidade de existir vida extraterrestre.

A Fermi possuí dois tipos de geradores, fusão e anti-matéria. Os geradores de fusão são suficientes para produzir energia que alimenta todos os sistemas da nave, incluindo um sistema de armazenagem produção de anti-matéria, no caso os pósitrons, e um propulsor VASIMR para propulsão delta-v. O único sistema não alimentado pelo reator de fusão é o sistema de propulsão sub-luminal.

Para isso existe um reator de anti-matéria, que funciona da seguinte forma: os posítons, alguns produzidos na própria nave e outros armazenados desde o início da viagem em câmeras magnéticas que impedem a todo custo da anti-matéria entrar em contato com a matéria, são colididos na câmera de reação de propulsão para criar radiação gama, que é colimatada em um feixe de energia coerente por longos nano tubos de grafeno dopado com bromo, estes tubos quando aquecidos formam uma fina camada de metal líquido capazes de refletir os raios gamas produzidos pela reação de anti-matéria, e assim conduzi-la para uma única direção de propulsão.

Com isso a nave seria capaz de atingir Gliese 581 em cerca de 30 anos. Apesar do longo tempo pela referencia terrestre, o tempo reduziria consideravelmente pela referencia dos astronautas, cerca de 21 anos, um tempo bem mais aceitável para astronautas determinados a chegar em outro mundo. Mesmo assim, a possibilidade da colocação de casais na missão seria mais aceitável, e permitido assim a geração de pelo menos alguns bebês prontos para ajudar seus pais na exploração e colonização de um novo mundo.

CONTINUA…

Uma resposta to “Capitulo 3 – Um Pequeno Sol (Parte 3)”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: