Resenha: Dragon Slayer 29


Votamos a mais um mês de RPG, estava na árdua tarefa de fazer uma prova de concurso em outra cidade (Campina Grande), chego na cidade, estou indo para o hotel e passo em uma banca de revista, o que eu vejo: Dragon Slayer edição 29 (e eu nem sabia que já estava pronta).

A capa: mais um anime Claymore, e nos textos mais nada que me chame atenção a primeira vista, mas como deveria passar pelo menos 1hora para descançar, e sábado não passa nada de bom na TV (aberta e fechada, esta cada vez mais difícil ter um programa bom), compro para passar o tempo.

Então, sem nenhum preconceito, a final já assisti dois episódios de Claymore e achei interessante, compro a revista e vou tentar resenhar a medida que for lendo, para no final dar uma opinião se ela realmente vale a pena.

Contra capa: Aqui uma mudança, Não mais a mesma velha foto, e sim uma imagem relacionada a matéria principal da revista. Só uma coisa, não achei qual o mês de lançamento, mas sabia que não tinha essa revista e comprei mesmo assim, quando cheguei no hotel verifiquei se realmente era desse mês, e ainda bem que era :P.

Editorial – Guerra à mesmice: O Editorial vem apresentando uma revista sobre variedades, nenhum tema em particular, como desculpa que o RPGista está em busca exatamente de variedade, e com isso eu concordo. Ponto positivo.

Notícias do Bardo: Inicialmente o bardo começa com um grande nostalgia, lembrando a grande década de 90 e seus mais variados sistemas. Traz também uma lista de lançamentos da Jambo e da Devir (sem datas prováveis L). Anuncio pequeno do RPGCon 2010, e noticias do exterior, como o sucesso de Dragon Age RPG e o lançamento do D&D Playerhandbook 3.

De fato estamos em uma ótima época de RPG, mas na verdade eu acho que sempre foi, tudo na vida tem seus altos e baixos, mas não lembro de uma época realmente ruim do RPG. A única coisa de fraca que tivemos foi a expectativa criada por D&D 3Edição, que trouxe muitas novidades, mas é claro, poucas sobreviveriam. Aqui temos mais uma pequena e tímida novidade: Eles falaram de nós blogs!!! Sim indicaram para visita do leitor para os inúmeros blogs de RPG do Brasil ou Fórum da jambo para perceber a boa faze do RPG. Sim isso, mesmo que de forma tímida, foi um grande avanço. Deixo aqui apenas meu pedido para publicação de uma matéria sobre Blogs de RPG do Brasil.

Encontros Aleatórios: Leitores tirando duvida de 3D&T e D20, pedindo ajuda e tal. Sobre os correspondentes, a paladina está bem recatada, e o paladino está bem nostálgico, e pelo menos eles admitiram que reciclam as imagens :P. Aqui nada de mais.

Falhas Críticas: Uma ótima história de um jogador estúpido. Não muito engraçada, mas sim uma lição de jogo.

Reviews – “Dragon Age: Origens”: Apesar de ter acompanhado superficialmente todo o marketing do jogo eu nuca me interessei por ele, achava na verdade que era um novo MMORPG (apenas depois de um mestre dizer que não o era descobri a verdade), e mesmo assim não me interessei de jogar (além de não ter a maquina para fazer o jogo rodar L). Mas essa resenha me deu vontade de jogar DA: O, mas acho que não vai dar nem tão cedo. Acho que será melhor esperar o RPG de mesa sair em português. Quem é mesmo que está tradusindo…?

Reviews – Criatura Selvagens: Uma ótima resenha, como a anterior sobre livros jogos, a própria matéria é um mini jogo. Esse livro jogo Criatura Selvagem Parece ser muito bom.

Sir Holland: Hauahuauha, monstros também tem sentimentos 😛 Muito engraçado, imperdível.

Toolbox – Depois da Folha em Branco: Apesar de ser um bom tema, ensinar como começar uma campanha, acabou se tornando um “como iniciar seu conto/livro”. Sim, por que ficou com poucas dicas como utilizar cada uma das três abordagens apresentadas, e o pior é que começou a ficar bem confuso. Pois é, parece que o cadela dessa vez não acertou em como passar o assunto de maneira clara, pelo menos eu não entendi completamente.

Mestre da Masmorra – O primeiro desafio, parte 2 – Desafiando os Personagens: Aqui novamente dicas para mestres. Dessa vez sobre como desafiar os personagens, ou seja, colocar desafios que faça-os testar suas habilidades. Só achei um pouco superficial as dicas, mas para mestres iniciantes elas deverão ser muito bem vindas.

Allansia: Uma matéria bem sucinta sobre as regras dos livros jogos e como usa-las em RPG de mesa, o que nesse caso é suficiente. Depois temos falando do cenário em si, mas com muitos detalhes, um atrás d outro, o que é bom e ruim ao mesmo tempo. Sem um mapa fica difícil visualizar as referencias geográficas da primeira vez, mas por outro lado pode dar aquele ar de mundo desconhecido (para o mestre e jogador :P). Depois apresenta um pouco da histórias dos seis magos, uma lista de criaturas mais comuns, e dicas para narrar uma campanha no mundo de Titan. Como é uma matéria dividida em duas partes deverá trazer muito mais coisas na próxima edição.

Claymore: Aqui temos a adaptação bem completa do anime Claymore, para 3D&T e D&D (no caso o vindouro Tormenta RPG). Para D&D apresenta duas formas para criar Claymores, uma classe completa e um modelo para ser usado com outras classes. Acho que faltou um terceiro, misturar a classe completa com as classes normais (podendo evitar assim o despertar de uma melhor forma). Traz também exemplo de duas criaturas e duas Claymores (a protagonista e a numero 1). Para 3D&T apresenta a vantagem única claymore, e vários outros poderes menores. Aqui como não sou expert no assunto (só vi os dois primeiros episódios) não posso dizer se realmente está muito boa a adaptação.

O Caçador de Apóstolos: Aqui temos as primeiras páginas (eu suponho) do novo romance de Leonel Caldela (de nome igual ao da matéria). Pareceu bem instigante, um estilo bem narrativo e floreado, e o único contra foi a imagem de fundo escura e amarelada (para lembrar um papiro velho, acho), que em conjunto com a letra pequena e meio itálica atrapalhou a leitura nas partes mais escuras. No mais se o romance esta legal só o lendo todo, como ainda não li a trilogia de Tormenta não posso dizer nada contra ou a favor.

Chefe de Fase – Abelardus, Legião do Inverno: Um vilão comum, nada de excepcional, a não ser que foi uma desculpa para apresentar a classe de prestigio Centurião. Parece ser uma classe bem poderosa, mas não posso dizer com certeza por que não vi o suplemento Tormenta RPG que ela deve ser mais compatível. No mais os poderes da classe estão bem legais, em especial Formação Inquebrável, que soma os PVs de todos os aliados como um só, e impede que qualquer um caia até que todos os PVs estejam consumidos. Dramaticamente poderoso.

Gazeta do reinado: Muitas noticias, e um preview no que realmente mudou no cenário. Sobre os minotauros (que fiz um bom alarde aqui), eles parece que serão os novos vilões, e que existiram aqueles que não participaram do novo regime, se tornando alvo de pré-conceito. Então haverá os minotauros simpatizantes (que provavelmente se tornaram uma espécie de espiões do império minotauro) e os neutros ou contrários (que poderão se tornar espiões do reinado dentro do novo império, e ao mesmo tempo lutar contra o preconceito). Vamos ver se é isso mesmo.

Depois do Apocalipse: matéria muito boa, quase completa sobre apocalipse. Aqui o cenário é dividido em três aspectos principais: Motivo do apocalipse, Tempo depois do apocalipse (acho que haveria mais uma subdivisão entre “o dia seguinte” e “geração zero”, mas deixa pra lá), e Recursos mais escassos (e por sua vez importantes) no mundo pós-apocalíptico. Só achei falta de uma lista de RPGs que possuem esses cenários, e talvez mais algumas referencie em cada um dos aspectos. Talvez uma lista dos principais cenários explicando quais as suas características. Exemplo: Mad Max – Caos Social + O Dia Seguinte + Combustível.

Fundo do Baú – GURPS Bunnies & Burrows: Realmente esse suplemento foi uns do que ficou na minha cabeça como o mais esquisito de todos os tempos (talvez por que tenha aparecido em alguma Dragão Brasil anterior apresentando a mesma opinião). Só achei que faltou uma coisinha na matéria, comparar esse suplemento com o mause guard, que é praticamente a mesma idéia, mas com ratos mais inteligentes e cartunescos do que os realistas coelhos de Bunnies and Burrows.

Quadrinho: “General invencível – Parte um: A Cigarra e A Formiga”: Ainda não posso falar se vai ser um bom ou mal quadrinho, todo o roteiro e arte foram feitos pela Patricia Knevitz. A arte não é das melhores, mas é bem competente, e não me agradou muito, principalmente a por que a história ficou dividida em dois e de repente eu não entendi o que estava acontecendo. Isso quebrou toda a expectativa que senti pela história, uma pena.

Comentários Finais

Essa edição da revista possui muito material interessante, pautado pela variedade, mas em alguns momentos confusos ou incompletos. Acho que valeu o dinheiro pelas matérias Apocalipse e Allansia (ou Titan como eu conhecia), e para os otakus Claymore parece estar muito bom, apesar de eu achar o cenário limitado demais para toda uma campanha, funcionando mais como um one shot ou misturando com outras coisas.

Acho que é só, espero que gostem e tirem suas conclusões se valerá a pena comprar ou não comprar a revista.

Nota final: 5

Advertisements

6 Respostas to “Resenha: Dragon Slayer 29”

  1. O que sinto falta nessas revistas são aventuras multi-sistemas =)
    Saudades do início da Dragão Brasil que aloprava com aventuras divertidas pra AD&D,D&D , GURPS, 3D&T etc. É trabalhoso fazer uma aventura assim mas valia cada centavo e me rendeu muitas sessões divertidas.

  2. Para mim e meu grupo a DS é completamente dispensável, já que não agrega nada no sentido de material para nossos jogos. Por outro lado como revista de entreterimento não me agrada devido ao preço elevado por pouca diversão. Mas essa é apenas minha realidade de jogo e de colecionadora.

    • rsemente Says:

      Compreendo perfeitamente. Hoje em dia compro mais pela falta de tempo em jogar RPG, então a leitura de RPG substitui um pouco isso pois posso lê-la a qualquer momento.

  3. Arquimago Says:

    Dragon Age: Origens – A Jambô vai traduzir e lançar na caixa mesmo, quem sabe com isso não chega nas lojas de brinquedos?

    Eu também gostei da revista, mas não li tudo a de Allansia por exemplo não li…

  4. […] um humano nomar como sendo de NP 3 até NP 6, e super humanos do nivel do super homen com NP15) tem a minha, se quizer fazer um mais compativel com outros universos overpower tem o da Dragon […]

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: