Omni – Introdução – Parte 4


Conto I – Parte 4

“O ser era um homem, aparentando pouco mais de 20 anos, trajando uma armadura incandescente, que aos poucos se resfriava, perdendo o brilho anterior.

No céu da colônia raios e explosões podiam ser avistados singrando o cosmo, uma guerra implacável também ocorria muito acima da fumaça e destruição causada pelos invasores.

Outra porta então se abriu do veiculo esférico, de seu interior um ser humanóide, alto e esguio, de cabelos longos e azuis, de beleza impar, se ergueu. Trajava uma armadura similar ao do guerreiro, mas de forma simplificada e aparentemente mais frágil. A criatura falou com uma voz potente e limpa:

– Quantas são Caran?

O homem então gritou:

– Faltam ainda mais quatro! – apontando para a direção das demais pirâmides.

O Alienígena parou por um instante e então levantando seus braços. Ele começou a brilhar e então uma coluna de luz surgiu, dele até os céus. Em um movimento rápido os seus braços desceram, e com eles a coluna de luz desabou como um raio divino, despedaçando a mais distante das pirâmides.

Os construtos vermelhos, percebendo a presença dos dois atacantes, começavam a correm em suas direções.

– Aaaaahhhhhh! – Gritou Caran, e com um enorme salto alcançou a nave invasora mais próxima, atingindo e escorregando o escudo de energia púrpura, e com golpe de suas mãos limpas conseguiu abrir um grande talho no escudo entrando velozmente em seu interior. Da pirâmide ainda saiam mais construtos, e ele sem hesitar atacava constantemente, lançando-os para todos os lados com apenas um golpe. A luta continuou até Caran entrar no interior da nave, causando explosões internas consecutivas até o topo da mesma, abrindo um rombo em sua ponta por onde surgiu Caran.

3ddd0b8a777b0d417940ee4c4cf178e5Enquanto isso o alienígena de cabelos longos começou a flutuar, e calmamente partiu em direção a outra pirâmide, atingindo com raios pulverizantes os construtos que tentavam alcançá-lo. Sem perder tempo, ele atingiu definitivamente com um raio a estrutura, se dividindo em duas, e explodindo logo em seguida.”

As estrelas do cenário

Os Guerreiros Celestiais (nome provisório) são estrelas do cenário, membros de várias raças alienígenas que através de uma misteriosa conexão com os astros são capazes de feitos quase divinos.

Eles são divididos em 5 ordens distintas, cada uma definida pelo tipo de astro que tem afinidade, concedendo poderes variados e alguns exclusivos a cada uma das ordens. As ordens são: Estrelares (estrelas), Planetários (planetas), Visionários (cometas), Temporais (Buracos Negros), Novas (Super novas).

Apesar de muito poderosos ainda são mortais e de poder finito, acreditasse que são tão poderosos como Naves Galácticas. A interação deles com as Naves Galácticas também é importante, permitindo ajuda em combate mútua.

Obs: Eles são evidentemente inspirados em outros tipos de personagens, como Cavaleiros do Zodíaco e Guerreiros Z de Dragon Ball, ou até os Lanterna Verdes, mas acredito que isso não seja um problema, e sim um atrativo.

Outros posts de OMNI:

Omni – Introdução – Parte final

Omni – Introdução – Parte 5

Omni – Introdução – Parte 3

Omni – Introdução – Parte 2

Omni – Introdução – Parte 1

Advertisements

3 Respostas to “Omni – Introdução – Parte 4”

  1. Realmente

  2. Perdaão, quiz dizer que é um atrativo sim, e estou achando as coisas interessantes!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: