A Batalha dos Quinze


Paladino Hoffnung, e seurinoceronte de guerra

Paladino Hoffnung, e seu rinoceronte de guerra

“Naquela manhã, dezenas de goblins adentravam no território das planícies Hoffnung. Saídos da região conhecida como reinos decadentes, ou algum lugar próximo. Não importava, era uma região corrompida, banhada pelo mar sombrio, e pouca coisa boa sobrevivia em tal local sob as sombras de forças corruptoras”.

“Já havia um relato de devastação de uma fazenda, que por mero augúrio, espero, não havia nenhum cavaleiro guardando. Um pequeno grupo de cavaleiros seria suficiente, mas 15 seriam destacados para a missão, por segurança”.“Percorrendo a grande planície de hoffnung, no dia seguinte, já se encontravam os cavaleiros. Uma força imbatível, dedicada a proteção da vida contra os horrores da corrupção que os dragões geraram”.

“Montados em incríveis bestas de guerra, encontradas nas próprias planícies, os Rinocerontes Marrons são adaptados para sobreviver aos predadores corrompidos da região. Seus chifres são mortais para a maioria das criaturas vivas”.

“Armados com lanças abençoadas no templo do planalto Litigus, os cavaleiros são treinados para terem fé em seu deus da vida e da fertilidade, assim como são treinados na arte da sobrevivência: A Guerra”.

“Depois de quatro dias cavalgando, observaram por de traz de uma colina, fumaças negras manchando o céu, outra fazenda perecia diante da selvageria goblim. Armaram-se com suas lanças e escudos e partiram em velocidade para a batalha”.

“Ao subirem a colina observaram os golins saqueadores. Mas, diferente do que pensaram, deveria haver mais do que dez dezenas de goblins. Ainda no topo da colina os quinze paladinos de Hoffnung desmontaram de suas selas e rezaram por breves segundos. Os goblins já se encontravam ao sopé da colina, sedentos de sangue, e confiantes de sua superioridade numérica. Os paladinos foram então capazes de observar os goblins ainda ensangüentados, usando corpos restantes de humanos como escudo”.

“Apenas dez montaram seus rinocerontes marrons, e fincaram suas lanças para arremesso no chão, prontas para serem usadas pelos cinco restantes. Então desceram em carga alucinante contra aquele exército selvagem.”

“Os chifres bestiais, na fronte das montarias sagradas, foram os primeiros a se chocarem, destroçando a primeira coluna de goblins, apenas liberando espaço para as lanças abençoadas, forjadas especialmente para tal investida, ainda mais mortal que os brancos chifres”.

“Atordoados com o ataque fulminante, os goblins retiraram os corpos dos recém caídos e avançaram contra os dez cavaleiros, apenas para colidirem contra a parede formada pela couraça natural e armadura forjada de anéis e espinhos usadas pelos rinocerontes”.

“Os cavaleiros golpearam mais uma vez, causando baixas consideráveis, enquanto seus formidáveis companheiros arremessavam as lanças nos goblins que buscavam cercá-los pelo flanco direito”.

“Os cavaleiros, praticamente ilesos, deram meia volta, escalando mais uma vez o morro. Enquanto parte dos goblins já se amedrontava com as lanças caindo do céu”.

“Algumas dezenas de goblins continuavam a escalar, furiosos, apenas para se depararem com um novo avanço dos cavaleiros, que agora contavam com os lanceiros, prontos para uma investida”.

“Ao invés de um novo ataque direto, os cavaleiros se dividiram em dois e partiram para lados opostos. Os goblins confusos se dividiram ao encalço de cada um dos grupos, que agora já retornavam em galopar assassino, prontos para flanquearem o inepto inimigo”.

“O novo choque foi ainda mais mortal, cerca de trinta goblins gritavam em agonia pela ultima vez, enquanto os restantes, agora menos que a metade do bando inicial, buscavam fugir morro a baixo”.

“Os cavaleiros ainda em cavalgar incessante, partiram em busca dos goblins fugitivos, que pisoteavam seus aliados moribundos, apenas para serem alcançados pelos chifres e lanças que dizimaram os restantes das sanguinolentas infelizes criaturas”.

Relatos da batalha da colina dos quinze.

————————–

Esse conto foi criado e publicado em conjunto com o netbook do sistema de batalhas em massa Campos de Batalhas, publicado pela Rede RPG a mais de um ano. De lá pra cá quas nada mudou, mas possuía alguns errinhos, e então atualizei o netbook.

Estou prestes a testar o sistema em uma grande batalha, com várias unidades desenvolvidas, que aos poucos serão apresentadas aqui, prontas para jogar.

Enquanto isso boa diversão com o conto.

Anúncios

Uma resposta to “A Batalha dos Quinze”

  1. opa, tô visitando…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: